Pesquisa
  • Aa+
  • Aa-
  • Aa+
  • Aa-
Transformação Digital
https://estrategiasquetransformam.com.br/wp-content/uploads/2019/04/Blockchain-4.jpg

Transição Para A Longevidade Humana com Blockchain

Hoje bem cedo em um feed de noticias, Elon Musk falava sobre colonizar marte em 2028 para assegurar sobrevivência da raça humana e o avanço nos estudos da saúde. Um passo mais próximo da imortalidade? Um pouco mais adiante, o índice de reajuste anual autorizado pela ANS de10% sobre os planos de saúde no Brasil. Uma distância entre expectativa e realidade. De volta a realidade, há muitas coisas a serem resolvidas até que Marte seja uma realidade. O que será da saúde no mundo daqui há 10 ou 20 anos?

O The Guardian promoveu um estudo recentemente, onde segundo sua publicação, nos próximos 20 anos, o número de pessoas acima de 65 anos que possuem mais de 4 tipos diferentes de doenças (multimorbidade), irá dobrar. Essa projeção nos alerta, reforçando a necessidade de repensar toda a estrutura e os recursos utilizados nos sistemas de saúde de uma forma realmente conectada globalmente, o que podemos chamar de saúde planetária.

Para a idade digital em que nós vivemos, o Blockchain parece ser a chave para contribuir com essa mudança de modelo paradigma. Principalmente quando se entende que um dos grandes problemas da saúde é a assimetria de informações. A desconexão entre provedores e pacientes contribui para erros médicos, frustração do cliente e muitas vezes, ineficácia ou excesso de tratamentos.

A IBM fez uma pesquisa com 200 executivos que atuam na área da saúde em 16 países. Essa pesquisa revelou que 16% deles planejavam implementar soluções baseadas em Blockchain durante o ano de 2017 e 56% até meados de 2018. Na pesquisa que a IBM fez com bancos e empresas do mercado financeiro, no mesmo período, apenas 15% e 14%, respectivamente, planejavam estar em escala comercial em 2017.

 

16% já começaram. Estes trailblazers (pioneiros) estão estabelecendo um ritmo acelerado e traçando uma direção como uma vantagem antecipada dos desbravadores. 56% das organizações consideram a tecnologia imatura como algum tipo de barreira (fisica, cultural ou tecnológica), e 70% citam a necessidade de um mecanismo robusto para estabelecer identidade e um alto grau de controle sobre o acesso. Esse último ponto já foi resolvido, a iniciativa da Linux Foundation, com a solução Hyperledger, dedicou bastante foco na identidade e as permissões como o núcleo para a evolução da solução de blockchains permissionadas.

Blockchain é uma tecnologia tão fascinante que resolveria uma série de problemas técnicos, numa só tacada, respeitando os sete princípios de Caldicott e em conformidade com as leis de proteção de dados, a GDPR na Europa e a LGPD no Brasil.

O sistema de Saúde são limões fatiados, baseados na teoria de assimetria de informação do George Akerlof. Entretanto, algumas aplicações da tecnologia Blockchain, dosada e corretamente prescrita na saúde, solucionam essa assimetria e podem gerar oportunidades de negócio com grandes benefícios para os pacientes e o próprio sistema:

  1. Armazenamento de registros médicos. (será a grande virada de mesa da medicina);
  2. Rastreamento dos medicamentos;
  3. Melhoria da saúde financeira de todo o ecossistema de saúde;
  4. Financiamento de novos hospitais e ambientes de tratamento médico;
  5. Financiamento para Pesquisa e Desenvolvimento de novos tratamentos;

Não faz muito tempo, Atul Gawande (CEO do plano de saúde da Amazon), externalizou uma possível frustração durante sua jornada, “as pessoas não ficam doentes de forma compartimentada e quando precisamos que as informações se conectem normalmente não conseguimos.”. Equalizar a troca de informações envolve os pacientes, melhora os resultados e reduz os gastos desnecessários com a saúde.

Estamos justamente no ponto de inflexão, na interseção de tecnologias que vão transformar radicalmente a forma como as pessoas fazem negócios e se relacionam.

Em 2018 na Coréia do Sul, o Myongji Hospital tornou-se uma das instituições que adotou a tecnologia blockchain como um sistema de compartilhamento de dados no ecossistema de saúde. O Nebula Genomics, é possível vender o seu DNA. No Doc.ai, você pode receber por participar de pesquisas científicas. E o Iryo é um projeto de prontuário gratuito e aberto. Todos esses casos, são os primeiros passos na direção de uma evolução tecnológica e não linear.

O futurista Ray Kurzweil, autor de livros (como o The Singularity is Near), argumenta que a velocidade do progresso aumenta à medida que uma ideia inovadora incorpora novos conhecimentos e amplia suas aplicações práticas. Essa mudança será exponencial e aceleradíssima.

Hoje vivemos uma janela de oportunidades, em pelo menos 4 aspectos distintos que se unem:

Oportunidade Tecnológica: A junção do Big Data com a escalabilidade do Blockchain possibilitando tudo que envolve questões de Machine Learning e de inteligência artificial;

Oportunidade Mercadológica: As empresas detêm cada vez mais dados, porém não conseguem compartilhá-los e nem extrair inteligência desses dados para seu próprio negócio;

Oportunidade Regulatória: A LGPD tem previsão de entrar em vigor em 2020 e as empresas terão 18 meses aproximadamente para se adequarem;

Oportunidade de mudança no modelo mental das pessoas em relação as uso e posse de seus dados: Atualmente, as pessoas entendem que seus dados são valiosos e que muitas empresas os utilizam e geram valor sem nenhuma permissão ou consentimento expresso do gerador dos dados. Isso tende a mudar drasticamente nos próximos meses. As pessoas vão ter mais controle sobre o uso e compartilhamento desses dados.

Quando esses quatro pontos de oportunidades se conectarem, serão geradas infinitas possibilidades de novos modelos de negócios. Estamos muito próximos deste momento.

2019 é o ano da tecnologia Blockchain assim como 1995 foi o ano da internet. Prepare-se!

Publicado em:

Estrategias que Transformam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *